23º bem brasileiro na Lista do Patrimônio Mundial da Unesco, Sítio recebeu investimentos da ordem de 8,7 milhões

Vista aérea parcial do Sítio Roberto Burle Marx (Lago da Casa de Roberto). Foto: Marlon da Costa Souza - SRBM/Iphan

 

Para coroar o ciclo de boas notícias do Sítio Roberto Burle Marx (SRBM), localizado na Zona Oeste do Rio de Janeiro (RJ), uma cerimônia nesta terça-feira (10) celebrou três conquistas: o título de Patrimônio Mundial, a requalificação do monumento e o restauro da Capela de Santo Antônio da Bica, que integra a propriedade. O sítio é uma unidade especial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia federal vinculada à Secretaria Especial da Cultura e ao Ministério do Turismo.

 

Uma comitiva formada por membros do Ministério do Turismo, da Secretaria Especial da Cultura e do Iphan marcou presença na solenidade. O encontro contou ainda com convidados de instituições como Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), Governo do Estado do Rio de Janeiro, Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) e Centro Tecnológico do Exército (CTex).

 

“O Sítio estimulou o desenvolvimento social do entorno: a partir dele, vários hortos foram criados, o que revela toda uma cadeia produtiva por trás, que atrai visitantes, incentiva a abertura de restaurantes. O Sítio tem uma importância que ultrapassa o campo da cultura e entra nos campos do turismo, comércio, indústria, transportes”, destaca a presidente do Iphan Larissa Peixoto. “Reforçamos o compromisso do governo federal de preservar esse espaço singular para as próximas gerações”, endossou o secretário especial da Cultura Mário Frias.

 

Patrimônio Mundial

 

Legado do paisagista brasileiro que criou o conceito de jardim tropical moderno, o Sítio foi reconhecido por unanimidade como Patrimônio Cultural Mundial. O título foi definido em 27 de julho deste ano, durante a 44ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

 

Com a nova chancela, o Brasil passa a ter 23 bens inscritos na Lista do Patrimônio Mundial da Unesco, registro dos bens considerados como portadores de valor universal excepcional para a cultura da humanidade. O SRBM foi reconhecido na categoria de Paisagem Cultural, na qual se enquadram bens que referenciam a interação entre o ambiente natural e as atividades humanas, resultando em uma paisagem natural modificada.

 

A requalificação

 

O Sítio acaba de passar por uma vasta requalificação, que fortaleceu e subsidiou o processo da candidatura ao título da Unesco. Por meio da Lei de Incentivo à Cultura, o BNDES investiu aproximadamente R$ 5,4 milhões em projetos e intervenções para valorizar espaços de visitação, implementar medidas de acessibilidade, ampliar o acesso público e potencializar ações de pesquisa.

 

Fruto de parceria firmada entre o Iphan e a Associação Intermuseus, associação civil sem fins lucrativos (Oscip), a requalificação iniciou em outubro de 2018 e foi concluída em fevereiro de 2021. Além da verba do BNDES, o Iphan designou R$ 3,3 milhões para executar as melhorias.

 

O restauro da capela

 

Encravada no coração da propriedade, a Capela de Santo Antônio da Bica já foi palco de cenas de batalha, fé e celebração. A história da capela remonta ao século XVII, período em que foi erguida. O templo é um local de convivência da comunidade de Barra de Guaratiba, local onde se encontra a propriedade. O Iphan investiu aproximadamente R$ 198 mil para restaurar a edificação. Os trabalhos se concentraram nos elementos integrados da igreja, como os retábulos que a adornam, e na recuperação dos revestimentos internos, como pisos e pinturas no forro e alvenaria.

 

“Grande parte das entregas do nosso governo são de responsabilidade do Iphan. Hoje temos três entregas que demonstram exatamente a nossa política pública da cultura”, enalteceu o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.

 

Capela de Santo Antônio contornada pelo paisagismo do Sítio. Foto: Oscar Liberal

 

O Sítio

 

Jardins, viveiros de plantas, sete edificações e seis lagos integram este espaço singular. A propriedade também guarda um acervo museológico de mais de três mil itens, que inclui um grande repertório da produção artística de Burle Marx, suas coleções de arte moderna, cuzquenha, pré-colombiana, sacra e popular brasileira, de cristais e de conchas, além do mobiliário e dos objetos de uso cotidiano da casa.

 

Maior e mais importante registro da obra de Burle Marx, o SRBM recebe cerca de 30 mil visitantes por ano. Conhecido internacionalmente como um dos mais relevantes paisagistas do século XX, Roberto adquiriu o Sítio em 1949 e ali viveu entre 1973 e 1994. Ao longo de 45 anos, reuniu na propriedade plantas de diversas partes do mundo e dos diversos biomas brasileiros, algumas atualmente em risco de extinção.

 

Em 1985, Burle Marx doou o Sítio ao governo federal a fim de assegurar sua preservação, a continuidade das pesquisas, a disseminação do conhecimento adquirido e o compartilhamento daquele espaço único com a sociedade. Após a morte do artista em 1994, o sítio passou a ser gerido pelo Iphan e se tornou um centro cultural. Localizado em Barra de Guaratiba, o Sítio tem 405 mil metros quadrados de área e abriga uma coleção botânica com mais de 3.500 espécies de plantas tropicais e subtropicais, cultivada em viveiros e jardins.

 

 

SÍTIO ROBERTO BURLE MARX:

Estrada Roberto Burle Marx, No. 2019 - Barra de Guaratiba CEP: 23020-255 - Rio de Janeiro/RJ Tel.: (21) 2410.1412
Agendamento de visitas por e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Devido à pandemia, as visitas estão acontecendo em pequenos grupos, de 3ª feira a sábado, às 13h, 13h30 e 14h. São obrigatórios uso de máscaras, higienização das mãos, álcool em gel e distanciamento.

Pin It